terça-feira, 11 de abril de 2017

"Altíssimos"


A cruz pelas costas,
as estranhezas
das fés impostas.
Flor de lótus!
Flor do lodo!
Pétalas à parte
miolo de todos.
Queres fazer linha de caminho?

Queres fazer destino
de fé sem gosto?
(Ladainhas de outubro)
Novelas de agosto...

Pregos nas mãos
da tua dor...

Perigos nas mãos
da tua dor,
da tua dor,
da tua dor.
Da palavra da tua dor.
Da sentença da tua dor.
Da tua dor.

Da toada do tocador! 
Da trovoada do trovador!
Salve as cascatas da mãe.
Salve  machado do pai.

Salve as peripécias
de nós, filhos...
E do espírito do porco, também!


Paulo Acácio Ramos & Dante Pincelli
155407042017

sexta-feira, 31 de março de 2017

Ave Mão



A minha mão sabe 
O que procura em teu corpo
No meio de todo esse teu
Um bocado do que for meu...

A minha mão desce
Rumo torto
Aos poucos se lembrando
Do que não esqueceu

Eternamente nua a tua mão
Sobre a minha, como uma ave,
Aninha...

Ternamente crua
Minha mão
Lê a tua
Linha após linha
O que de tua vida
Ainda pertence à minha

E assim dadas
Nossas mãos seguem distraídas 
...
Pelas ruas!

Paulo Acácio Ramos & Dante Pincelli
211230032017

terça-feira, 14 de março de 2017

Ouvi dizer que me amavas


Pouco me importa
se tu me gostas,
se trazes nas costas
as contas de amor
que jamais fizemos...

Que guardes em malas
empoeiradas de solidão
os restos desse amor
que já jazia em nós...
Antes mesmo de sê-lo.

Cofres de sete chaves
como quiséssemos guardá-lo
protegê-lo de nós e de si mesmo,
como quisessemos usá-lo
antes mesmo de abrí-lo.

E, num átimo, parí-lo,
dividí-lo, mastigá-lo, absorvê-lo.

E guiar-se, perder-se
novelo...

Paulo Acácio Ramos & Dante Pincelli
181405032017

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

O Olho do Farol



Debaixo do chão, 
os rios de prata,
a marca das linhas
pretas do carvão.
Chão cravejado
de diamantes
que breve serão pão!

Debaixo da prata,
um rio de chão
desata os cravos...
Escravos da solidão
o amor é um vão...

Entre pernas. 
Por entre as mãos
gotas de âmbar
em lábios úmidos.
Urgência túrgida de ti.

Ausência de senso
na ausência de ti.
Emergência que emerge
na prata do rio...
Da lua do olho.
Urgência de ti.


Paulo Acácio Ramos e Date Pincelli
135322022017

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Ardência



Arde em meu corpo
brasa de um fogo que é teu.
Que, ateu, ateias em mim.

Ardem em mim,
atento e sem fim,
chamas que chamam
fogo fim
brasas de mel, 
cedro e marfim...

E meu corpo,
num esforço,
cospe todo teu gosto 
de gozo
sobre flores mortas
de um outro jardim.

Tarda em meu corpo
a flor do teu capim.
Abelha que beija o
copo-de-leite e faz
deleite chama a mim.

Ardo, enfim.



Paulo Acácio Ramos & Dante Saraiva Pincelli

195816022017

domingo, 15 de janeiro de 2017

No Chão



tuas formas 
imperfeitas
quadris
peitos
dedos
tuas formas
tão perfeitas...

tua fama mal feita
não condiz
com a graça
do teu pulso
impulso inútil
de correr atrás
de amarrar-te
aos pés da cama

de ir a Marte
em delícias
sacanas

e secar ao sol
e secar ao sol
e secar ao sal

e secar.


Paulo Acácio Ramos & Dante Saraiva Pincelli
112314012017