segunda-feira, 22 de outubro de 2012

II festival Beto Miranda de poesias. Rodada 8/Vida.





O tema escolhido pelo poeta

Zecafran foi:




“VIDA”







&*&*&*&*&*







“Colecção”



(Paulo Acacio Ramos)





A vida dura uma erecção, um pau duro, um acto, um facto em história cíclica.

A vida é uma beata no cinzeiro de Deus.









Trofa-Portugal








&*&*&*&*&*







“azul riscado”



(Zecafran)





um céu azul riscado
bordado por aviões a jato
a terra entardece
no rio de janeiro
sinto o vento que sopra da praia
na janela do meu quarto
fotografo na memória
o quadro que por hora
a vida me apresenta





Niterói-RJ







&*&*&*&*&*








“NA VIDA”



(Jorge Luiz)




Caiu na vida,
Sem despedidas
Levou o corpo
Deixou a alma
Vestiu o vestido
Esqueceu à anágua
Parou no porto
Horto das mimosas
Luxuosas do lixo
Qualquer carrapicho
Enrabicha na cama
Aclama e despacha
Se agacha na bacia
Refletia no espelho rachado
Focado nos lábios cerrados
Lados das vidas espelhadas
Saudadas com um semi sorriso,
Aviso trincado pela dor
Horror em cada travesseiro
Qual marinheiro é ausente?
O presente muda a todo instante
Vacilante, entre o amor e o comércio
Obséquio sai sem dizer o nome
Some, como quem nem chegou
Nada levou, deixando-se em mim
Meus afins, que fim levaram os anônimos?
Perco os ânimos na cama, acamada
Loba desgarrada, uiva solitária na escuridão
Nenhum coração ao meu lado
Tempo tomado sem apreço
Pelo preço da solidão.






Rio de Janeiro-RJ







&*&*&*&*&*







“Vida”



(Cinthia Kriemler)





roubou meu calendário
calçou minhas sandálias de caminhar
estradas de sonhos
tomou de mim minhas pessoas
preferidas
os gatos que ronronavam no quintal
as plantas contra mau-olhado
e pendurou sinos de cristal
no teto da varanda
pra dançar salsa com a brisa
e chamar felicidade
mudou o quadro de lugar
carregou minha cadeira de pensar
pra perto da janela escancarada
do tempo
jogou fora o tapete mágico desfiado
comprado num brechó
e fez amor com o meu amor
numa canoa torta
no meio do rio
[como se vê nos filmes]
lavou com xampu de lavanda
os cabelos cor de mate e se deitou
na rede de algodão
esperando o sono não chegar
pra poder sugar a noite
com olhos de estrela
de estreia
rompeu em madrugada
se drogou de orvalho
pulou o portão de trepadeiras
suspirou com jeito de enfim
e desceu a rua
assoviando
"adeus, vou pra não voltar..."






Brasília-DF








&*&*&*&*&*







“E a vida continua”




(Izaura Carolina)











Macaé-RJ







&*&*&*&*&*










        “EFÊMERO”



       (Edweine Loureiro)




        Quando penso
        que ainda há tempo,
        vejo, com espanto,
        um fio de cabelo branco.






 Saitama – Japão







&*&*&*&*&*







“(V) ida”



(Redson Vitorino)




Relapso ou não
sem poréns quando se para e pensa
o que é dúvida agora
o tempo faz questão de negar-lhe


1 ou 2
os ossos pesam mais a cada passar
se der sorte tem quem os segure junto.
o que seria azar agora?


Veja o agora antes novo
alguém que tome lugar
quando o silêncio seduz
o que há?





Petrópolis-RJ







&*&*&*&*&*







"Vida"




(Maria Mestriner)




 
Os ventos sopram em minha janela
Ventos que renovam meu ser
Sinto a plenitude da vida ....
Ainda há tantas coisas para viver...
Ventos que alimentam os meus sonhos
Arrebatam para dentro de mim
O claridade deste teu olhar,
O teu sorriso inebriante... e o
Ardente desejo de ser feliz com você..
Eu abro a cortina , paro de me esconder
Deixo com o vento, com a luz ..o seu amor
Entrar ..............e para sempre ficar......






Americana-SP







&*&*&*&*&*







“Gira vida/gira mundo”



(Ana Gouvin)





        A vida que decorre em mim ?
        ou eu que me propago nela ?
        Onde vão dar meus passos enfim ?
        neste mundo sem portas e janelas.


        Giramos no mundo, sarrazinando no mesmo lugar
        retornamos ao ponto de partida, tudo está igual
        as coisas se repetem, são os mesmos a passar
        é um ciclo sem início, sem meio e sem final.


        Melindro-me quando de novo tudo vejo
        Que esta vida ecoa, de se repetir padece
        se mostra dela própria um súbito lampejo
        e num piscar de olhos nos arrefece.


        Vida, quem é você afinal de contas ?
        o que fazes de mim e o que queres ?
        muitas sou feliz e outras vivo pelas pontas
        da minha vida só quero ser dono, mesmo que sejas o alferes.






Rio de Janeiro-RJ







&*&*&*&*&*





 




 
“poeminha na porta do banheiro”






(Vinni Corrêa)





deságua!
esgotou
a vida





Rio de Janeiro-RJ







&*&*&*&*&*







"cena do dia”



(Dante Pincelli)






o céu prenhe de azul
carecendo de vapor,
sustenta um sol inequívoco
com seus olhos de azagaia...



a vaca seca,
catinguenta de bicheira,
olha sem apreço
o jegue acangalhado
cingido no pau da oiticica...



o homem calmo e rude,
de meizinha compressa
aliviando o fogo dos calos,
instrui o menino engenhoso
sobre os segredos da lida:


“_cutuca o murundu

teiú taí!”





Macaé-RJ














&*&*&*&*&*







“Casa”



 (Roberto Fernandes)




Minha casa guarda segredos de muitas vidas que lá viveram.
Pelos cantos deixaram suas lembranças: um risco na parede, uma mancha na pintura branca, objetos ínfimos sem nenhuma utilidade, sonhos desembrulhados.
Minha casa respira ofegante, me fala de uma vida inteira e muitas outras metades.
A tudo dou ouvidos, a tudo dou o meu nome.
Mas, o que procuro, não acho nela. Um silêncio, um amor, uma quimera.
Escrevo poemas, então, como quem esquece ou tenta.
Faço mapas de um encontro. Ouço risadas vindas das janelas...






Recife-PE







&*&*&*&*&*



















&*&*&*&*&*





O poeta Vinni Corrêa
escolheu como tema para a 9ª rodada do II Festival Beto Miranda de Poesias,




“CANTADA”




Os trabalhos devem ser enviados, preferencialmente, pelas mensagens do Facebook pra:



Dante Pincelli O Velho



e, no caso de formatação diferente, arquivo fotográfico etc,
envie para  o e. mail:



dantearte@hotmail.com



Os trabalhos de vem ser enviados até sexta feira, dia 26 de outubro, às 12:00 h, impreterivelmente.







Orgulhosamente.

Dante Pincelli








13 comentários:

  1. A vida é um luxo que se come pelas beiradas... como a vingança e o rancor e a poesia... AMEI Absurdos a produção rítmica rimada desta FASE VIDA...

    ResponderExcluir
  2. O que me encantou, mais uma vez, foi a diversidade de estilos: dos mais concisos aos mais longos: todos belos!!! Parabens, Poesia!

    ResponderExcluir
  3. Hoje percebo que passar por esta vida sem ter apreciado tudo isto aqui, perderia muito da sua graça. Parabéns mais uma vez.

    ResponderExcluir
  4. Eu concordo com Edweinels , a diversidade encanta mesmo esta rodada de poesia... Parabéns ao poetas....

    ResponderExcluir
  5. Tudo junto e misturado faz beleza demais! Só uma pergunta. Dante, por que ocê pulou da Rodada 6 para a 8? Alguma coisa ontar o cabalístico 7???

    ResponderExcluir
  6. Dante O velho cansado.22 de outubro de 2012 13:41

    Parabéns poetas pelo show de graça e amor dessa rodada.
    Cinthia, se vc puder voltar as páginas, verá que tiveram 2 rodadas 6, isso é por causa de uma coisa muito séria e profunda, um destrambelhamento congênito e insistente da cabeça desse poeta desaparafusado.
    Preciso descansar.

    ResponderExcluir
  7. Jorge Luiz

    A cada rodada, as poesias chegam cheias de vidas, vidas longas e vidas curtas e, merecedoras de aplausos.

    ResponderExcluir
  8. parabens aos amigos que pariram tao belos pensamentos....a vida agradesce

    ResponderExcluir
  9. Cada poema mais belo que o outro, os que mais me impressionaram: a imagem da Izaura e o poema de Cinthia Kriemler; vai ser poeta assim lá... Em casa!

    Parabéns a todos, e Dante, amigo, me perdoe pelo meu momento "bloqueado". Ultimamente não tenho parido nada, confesso que tentei nas duas últimas rodadas enviar, mas... Tá feia a coisa.

    Abração!
    Lohan.

    ResponderExcluir
  10. Valeu, Lohan! Estamos todos fazendo bonito, a cada rodada! Uma mixórdia de visões super legais! Você tá bloqueado por causa do mestrado! Vida acadêmica é f...! Beijocas

    ResponderExcluir
  11. na sinuca como na vida..suicidou perdeu a vida
    no jogo de bola de gude quem entra com pouco e ganha faz a vida
    mulher da vida facil faz a vida na esquina
    numa decisao se jga o jgo da vida
    se chama o ser amado de vida
    o equilibrista tem a vida por um fio
    e como diz o zeca pagodinho....se quizer beber eu bebo
    se quizer fumar eu fumo....na vida coisa mais feia é gente que vive chorando de barriga cheia

    ResponderExcluir
  12. Sensacional, amigos, genial essa rodada, bem como as demais.
    Fico muito orgulhoso de fazer parte dessa coisa de poesia comunitária, conjunta...
    Dividir o blog com tanta gente boa que escreve com seriedade e ama o que faz. É isso mesmo, a escrita de vcs deixa transparecer o amor que sentem por esta tarefa solitária e maravilhosa que é o escrever.
    Quem ganha com isso é o leitor, seja ele um aficionado ou casual, ganham em quantidade e, principalmente, em quaidade.
    Lohan, sinto fata de sua participação, assim como sinto a fata do Marceo, do Francisco Ferreira, do Rodrigo etc etc etc. Mas eu sei que se pudessem, estariam aqui.
    Bjs a todos.

    ResponderExcluir