quinta-feira, 13 de março de 2014

Trepidante paulada



vida pouca
solidão vasta
tudo em nada
quando a poesia
não mais te basta...

e essa tristeza
que no chão te arrasta
em dor que não passa
vem outro poeta
que da miséria te afasta

atirando seta que devasta
nada resta
nem ao centro nem na aresta
quando a poesia 
não mais te basta...

o outro poeta te beija
e sabe que um só beijo arrasta
no corpo das rimas
os corpos dos dois
que para poesia um corpo só não basta.

Dante PAR

 13.03.14

Um comentário:

  1. Gosto muito das nossas palavras apaixonadas umas pelas outras...

    ResponderExcluir