segunda-feira, 25 de abril de 2016

II Festival Stella Monteiro de Poesias. Rodada 2

Stella Monteiro.




&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&
 
 

 O tema desta rodada é:
"ESQUECIMENTO"
proposto por Paulo Acácio Ramos.
 
 

&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*




" ( ON - OFF - FODA-SE ) "

(Izaura Carolina)





Macaé-Rio de Janeiro



*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&


"sem título"

(Paulo Acacio Ramos)



...
presença
és
que
cimento
nenhum
cobrirá
lapidar
pedra
de epitáfio
a saudar
a tua
ausência
...


Trofa-Portugal



&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*





"ESQUECIMENTO"

(Jorge Luiz)


O tempo deu adeus

  moça idade do destino
traz vento um cheiro de sentimento

desperta minha alma

lavada pelas lágrimas

apagaram-se os escritos

fui invadido pelo esquecimento

voltei ao passado incerto

enjaulado nesse vazio que preenche o meu ser

a porta se volta fechada para mim

e o destino passado me afronta

diante da minha incredulidade

o espaço e o tempo inexiste

mas, acredito na existência relativa

a esse mundo que me permite

existir...



Rio de Janeiro-Rio de Janeiro



&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*







"às vezes esqueço do valor de escrever"

(Dante Pincelli)


no olho leve

de palha
deslizarei
numa navalha
como se fora
Buñuel,,,

de migalha
em migalha
construirei
uma muralha
do inferno
até o céu,,,

meu cavalo
de batalha
é a voz
de quem trabalha
nesse eterno
carrossel,,,

meu desejo
mais canalha
é fumaça
que se espalha
como risos
num bordel,,,

minha insônia
me atrapalha
meu poema
tarda e falha
só rabiscos
no papel,,,

a escrita
me agasalha
e espero
que me valha
num final
doce de mel...


Macaé-Rio de Janeiro




&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&










"Linimento à Memória"



(Grilo)


Engolida pelo tempo

Memória efetiva sucumbe
Separada pelo espaço
Memória afetiva é deslumbre
Grandes duvidas e pequenas dividas
Suspeitos dogmas e total desacato
Mesmo os céus nos escondem os fatos
Circulo interno do Inferno, Nosferatu
Farsa que novamente se atreve
Destro vem, desde o Paraíso dado
Tendo o sinistro sempre relegado
Subversão demente, ciente entrave
Sobrecarga de informação
Soberba e falência do sexo
Alienado virgem com tesão
As notícias lê, relê e não vê nexo
Assim caminha a desumanidade
Até que, pelo esquecimento
Deixe de haver confissão
Acabado o vinculo com a verdade

Cambuí-Minas Gerais


&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*


"Funileiro"
(Cinthia Kriemler)

sente falta do carrinho de mão
onde as panelas gemiam se esfregando
  umas nas outras
uns gritos agudos, outros sem graça
como gente, que ora goza, ora mente
o esfolado dos pés, o sol de fogo
nordestino
comendo o couro da cabeça
e o porta em porta oferecendo
a lida, sem certeza de sim, de água
ou de comida
"funileeeiro, funileeeiro", brada a voz
antiga, de quando não havia filho com diploma
teto, pão e nem guarida
do hoje nada fica, é tudo esquecimento
só guarda na memória a orgia das panelas
se esfregando umas nas outras, histéricas,
orgásticas
e o grito "funileeeiro", essa lembrança viva


Brasília-Distrito Federal


&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*






"Esquecimento"

(S. Quimas)

Desce a cortina e a plateia se esvazia,
Findaram-se os risos e as lágrimas,
Já não se ouvem os aplausos,
Nem mais uma linha do texto,
Nem mais um só cochicho.
Tudo é escuridão,
Silêncio sepulcral.
A ilusão foi perdida,
O sonho feneceu.
Tudo se foi,
Agora, resta somente a lembrança,
Até que um dia lhe venha colher
O esquecimento.


Nova Friburgo-Rio de Janeiro




&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*&*



Obrigado aos participantes e não deixem de comentar.
Próxima postagem: 02/05/2016
.











11 comentários:

  1. Sem esquecimento de nenhum poeta... isto é mesmo muito lindo!!!

    ResponderExcluir
  2. Ótimos trabalhos mas o poema ''às vezes esqueço do valor de escrever'' é sublime.
    Parabéns aos, acho que posso dizer, colegas.

    Abraços.
    gri lo

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Grilo, por ter gostado do meu poema e obrigado a todos por participarem.

    ResponderExcluir
  4. Nem havia percebido o autor!

    Obrigado você por me aturar!!

    Abraços.
    gri lo

    ResponderExcluir
  5. Dante, concordo com o amigo aí que elogio o teu poema. Realmente fantástico.
    No geral os trabalhos postados são bons, mas sem dúvida o teu brilha em especial.
    Parabéns a todos os participantes da rodada.
    Luz e imensa paz.
    Beijo na alma.

    ResponderExcluir
  6. Tantas visões diferentes e bonitas. Mas o seu poema é mesmo muito lindo, Dante. De uma suavidade não pressuposta. Um Dante desconhecido para mim. Doce, sem mel. Forte, sem agressividade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escrevo desse jeitinho aí, mas não publico muito.
      Obrigado.

      Excluir
  7. Tá chovendo poesias e brotando maravilhas....parabens irmãos poetas....show

    ResponderExcluir
  8. Um show de poesia lindas, parabéns a todos participantes.

    Jorge Luiz

    ResponderExcluir